Vladimir Brichta 

Cidade Proibida, com Vladimir Brichta, estreia terça-feira (26)

Foto: Mauricio Fidalgo/Tv Globo

 

Série passado no Rio de Janeiro dos anos 50 remete ao cinema noir

O clima noir daqueles filmes que encantaram o público nos anos 1940/50 vai chegar à TV brasileira a partir desta terça-feira, com a estreia de Cidade Proibida, que vai ao ar na Globo após A Força do Querer e será apresentada semanalmente.

Mas Vladimir Brichta, que interpreta o detetive Zózimo, o protagonista, diz que o clima da produção é brasileiro, embora lembre o cinema americano daquele período: “A gente brinca com a história do noir. É uma linguagem específica que vai reverberar um pouco no Nelson Rodrigues, como vai reverberar também no noir americano. Mas é um noir brasileiro, que tem todos esses elementos, solar como o Rio de Janeiro”.

Zózimo é um ex-policial que decide trabalhar sozinho e se especializa em investigar casos extraconjugais. Para concluir seus trabalhos, ele deve frequentar um ambiente em que circulam mulheres fatais e homens violentos numa cidade rica, charmosa, elegante e perigosa no final dos anos 50.
No dia a dia, ele conta com a ajuda da garota de programa Marli (Regiane Alves), do corrupto delegado Paranhos (Ailton Graça) e do malandro e sedutor profissional conhecido como Bonitão (José Loreto).

“Marli é e está sendo uma delicia de fazer. Ela é apaixonante, engraçada e apaixonada pelo Zózimo. Mais do que sedutora, que ela também é, Marli tem um pouco da nova mulher que vemos hoje em dia”, diz Regiane Alves sobre sua personagem.

A atriz reconhece influências do cinema na série: “Tem muita inspiração nos filmes noir e também nos filmes do Hitchcock, além de Chinatown, Los Angeles – Cidade Proibida e filmes de Godard. Mas é um noir tropical, com muita externa. Para mim, Noites de Cabiria é o filme que me inspira para compor Marli”.

Cidade Proibida tem direção artística de Maurício Farias e redação final de Mauro Wilson. “A série é inspirada nos personagens do quadrinho O Corno que Sabia Demais, de Wander Antunes. Os personagens são amorais, cínicos e egoísta. Zózimo trabalha com o lado destrutivo do amor e suas consequências negativas. Ele vive o lado negro do amor: traições, ciúmes, culpa, ódio”, diz Mauro Wilson.

Vladimir diz que seu personagem não se enquadra com precisão na classificação “mocinho ou bandido”. “Está mais para mocinho, mas os valores dele são muito específicos. Eventualmente, agride pessoas, o que não se espera de um mocinho”, diz o ator.

Fonte: http://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cidade-proibida-com-vladimir-brichta-estreia-terca-feira-26/

Posts relacionados

Leave a Comment

Pular para a barra de ferramentas